Pages Navigation Menu

[Destaque da semana] Ser síndico: conciliando trabalho, gestão condominial e vida pessoal

secretary-2199013_1920Não é incomum, nos dias de hoje, que cada vez mais pessoas passem a assumir mais de uma função em suas vidas. Muitas vezes, o síndico é também funcionário de alguma empresa e ainda tem que lidar com seu papel dentro da família. Conciliar trabalho, vida pessoal e a função de gestor condominial sem prejudicar nenhuma dessas áreas, não é tarefa simples.

O síndico Murilo Carvalho sabe bem disso. Gestor condominial no Guará, já passou por situações em que sua função por pouco não atrapalhou o seu emprego. Já estourou cano no condomínio enquanto eu estava em reunião. Aí é tentar pedir ajuda para o zelador, subsíndico e conselho fiscal.” Além disso, todos eles têm os telefones dos principais prestadores de serviço e até mesmo o número do seguro.

Para não atrapalhar sua vida pessoal, o síndico conta que foi preciso estabelecer horários para atendimento, a não ser em caso de urgência. De acordo com Murilo, o segredo de não deixar a gestão condominial atrapalhar a vida pessoal e profissional, é delegar funções dentro do condomínio de acordo com a gravidade da demanda e, só em último caso, contatar o síndico enquanto este estiver no trabalho.

A coach Wang Ching afirma que, ao assumir determinado compromisso, a pessoa tem que saber das consequências a administrar. No caso do síndico, algumas sugestões podem ser adotadas_ 1) Organize uma r - Copia

 

Sergio Guimarães, idealizador da Academia do Tempo, acredita que o segredo para conciliar mais de uma função está na soma de organização e disciplina. “Antes de assumir um cargo de síndico ou qualquer outro compromisso de longo prazo, pergunte-se o quanto você é organizado e disciplinado.” Outras dicas do profissional incluem não permitir que a desordem e a falta de controle consumam o seu tempo. Para isso é preciso investir numa gestão simplificada com controles e indicadores precisos e confiáveis.

Mais dicas de Sérgio Guimarães:

-Crie rotinas e checklists claros e fáceis de executar.  Um bom checklist é, por exemplo, indispensável, para a condução de uma reunião de condomínio eficaz.

-Certifique-se, também, que os outros membros do condomínio sejam igualmente organizados. Não basta ser um síndico organizado se, por exemplo, o tesoureiro, for desorganizado. A boa gestão do tempo é contagiosa. Infelizmente, a má gestão também.

-Finalmente, não caia na armadilha da gestão 24/7 (uma abreviação para 24 horas por dia, 7 dias por semana). Não trate as exceções como regra. Imprevistos acontecem e um síndico deve estar sempre disposto a atender um condômino que teve um problema qualquer na manhã de um domingo. Entretanto, uma boa gestão, para uma empresa ou condomínio, deve priorizar a realização de melhorias, a conservação e a prevenção de incidentes. Quanto melhor e mais organizada for a gestão, menos incidentes acontecerão numa manhã de domingo e mais tempo você terá para si e para a sua família.

Para o presidente do Sindicondomínio-DF, José Geraldo Dias Pimentel, é importante que o síndico saiba organizar seu tempo de modo a não perder a qualidade de vida nem deixar cair a qualidade de sua gestão condominial. “Prestar atenção às dicas acima é fundamental para termos uma gestão saudável tanto para síndico quanto para os condôminos.”

 

Confira entrevista com a coach Wang Ching

Sindicondomínio-DF: De forma geral, é possível conciliar dois empregos distintos sem comprometer a qualidade de vida e o desempenho nessas tarefas?

Wang Ching: Eu diria que qualquer escolha que fazemos tem consequências. Por isso, não dá para dizer que ter dois empregos distintos não vá afetar a qualidade de vida. A minha sugestão, para quem decidiu estar em dois empregos, não importando o motivo, é que aproveite cada momento da sua vida, pois não acontecem duas vezes da mesma forma. Sinta alegria, gratidão, faça amizades e procure aprender ao máximo. Isso traz qualidade de vida e energia para fazer tudo bem feito.

 

S: Como fazer isso? É preciso se organizar com relação ao tempo, criação de rotinas ou motivação?

W: O ponto de partida é planejar por quanto tempo estará em dois empregos e estabelecer algumas metas do que se deseja alcançar. A seguir, organizar a agenda de forma realista, prevendo o tempo necessário para o que decidiu fazer. A premissa é: o tempo é limitado e muitas vezes insuficiente. Então concentre-se em ser seletivo (em que gastar seu tempo) e em ser eficiente (como gastar o seu tempo para fazer mais e melhor, em menos tempo). Lembre-se que se ao planejar já não cabe no seu dia, não tem como executar. Criar rotinas ajuda a exigir menor esforço para fazer tarefas e é mais recomendado para as de maior volume e repetitivas. Qualidade de vida precisa de algum tempo, mas não é proporcional ao tempo destinado. Tem a ver com o conceito de tempo de qualidade e não com quantidade de tempo, seja para si, para a família.

 

S: Como perceber que um emprego ou função está atrapalhando sua vida pessoal? Como reverter essa situação?

W: É prudente avaliar de forma ampliada o seu momento antes de concluir que um emprego ou função está atrapalhando sua vida. Quando estamos exaustos, ou emocionalmente afetados, temos a tendência a supervalorizar as coisas ruins do momento e não valorizar os ganhos. Uma técnica para melhor avaliar isso é observar todas as consequências em sua vida se não tivesse mais esse emprego. Se a conclusão for que não pode ficar sem este, então o próximo passo é identificar claramente de que forma o emprego ou a função está atrapalhando a sua vida pessoal. Identificado esse ponto a reflexão é: de que maneiras o emprego ou função pode ser mantido sem atrapalhar a sua vida pessoal?

 

S: Tem mais algum ponto sobre o assunto que gostaria de acrescentar?

W: Para finalizar, eu faço a seguinte reflexão: será que não supervalorizamos as dificuldades e o sacrifício e acabamos sofrendo mais do que o necessário? Temos sempre escolha. Escolha atividades que tenham mais a ver com você e o trabalho se tornará mais leve. E se achar que não pode deixar de fazer algumas atividades, descubra uma faceta nelas que permita que a faça sem sofrer. Ou seja: Faça o que ama, ou ame o que faz!

 

[Assessoria de Comunicação

Presidência

Sindicondomínio-DF}

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *